terça-feira, 31 de dezembro de 2013

KROKODIL - A DROGA MAIS MORTAL DO MUNDO

KROKODIL
a droga que te come vivo



O objetivo deste post é que leve ao conhecimento de muitas pessoas sobre está droga letal, mortal, e para que pessoas comuns,  que estão fugindo desta realidade que nos mostram, jamais venham a cair nas garras desta droga terrível e de nenhuma outra.

No Brasil pouco se conhece desta droga, mas assim como o CRACK, que a poucos anos atrás também não se conhecia, que tenhamos o conhecimentos e que possamos alertar os conhecidos e a  todos, póis todos somos um, e as consequências de todo mal, ilusoriamente podemos acreditar que cada um colhe as suas ações, mas na verdade, todos colheremos (COLETIVO) o mal, póis moramos no PLANETA TERRA!

Que possam aprender a conviver com tudo isto, mas que jamais se  envolvam, sejam apenas os observadores conscientes e que  ajudem a divulgar.



Krokodil é uma droga russa fabricada a partir da desomorfina. O nome vem de uma das consequências mais comuns ao uso, uma vez que a pele da pessoa passa a ter um tom esverdeado e cheia de escamas, como a de um crocodilo.

Krokodil é um substituto para uma droga de alto valor, a heroína. O princípio ativo do Krokodil, é a “desomorphine” que é vendida em alguns países da Europa (especialmente a Suiça) como substituto da morfina e é conhecida pela farmacologia desde 1932. A desomorphine é de 8 a 10 vezes mais potente do que a morfina. Trata-se de um opiáceo sintético que possui estrutura quase idêntica à da heroína.

A primeira aparição desta droga foi na Sibéria, em 1992. Seu consumo tem aumentado cada vez mais pois ela é uma alternativa barata à heroína.2
Seus efeitos colaterais são bizarros. Ela causa necrose no local onde é aplicada, expondo ossos e músculos. Casos de viciados precisando de amputação ou da limpeza de grandes áreas apodrecidas em seus corpos 3
são cada vez mais comuns.

Largá-la é uma tarefa extremamente difícil. A desintoxicação é muito lenta e o usuário sente náuseas e dores por até um mês.

A Codeína, um narcótico disseminado pelo mundo inteiro e de fácil acesso pode ser transformado em desomorphine com algumas reações químicas relativamente baratas. Ela então é dissolvida e injetada pelo utilizador. Considerando que a heroína custa 150 dólares cada dose e o Krokodil pode ser obtido por menos de 10 dólares fica fácil entender a razão de sua existência.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Desomorfina

Krokodil: droga semelhante à heroína é a mais mortal do mundo [galeria]http://www.megacurioso.com.br/drogas-e-novos-medicamentos/40256-krokodil-droga-semelhante-a-heroina-e-a-mais-mortal-do-mundo-galeria-.htm

Fotógrafa revela o cotidiano dos dependentes na Rússia, o país que registra os principais números relacionados ao consumo da droga
Por Fabrízia Ribeiro em 06/12/2013

Fonte da imagem: Reprodução/Time Krokodil: droga semelhante à heroína é a mais mortal do mundo [galeria]
Cerca de dez anos atrás, os médicos russos notaram o aparecimento de ferimentos e marcas no corpo de alguns dependentes químicos. Pacientes em hospitais da Sibéria e do Extremo Oriente da Rússia apresentavam pedaços de carne que tinham uma coloração escura e começavam a descamar, como se fosse a pele de um crocodilo.

Em pouco tempo, eles descobriram o que causava tal reação no corpo: os pacientes estavam injetando uma nova droga que foi batizada, como era possível prever, de “krokodil”. Embora a palavra signifique “crocodilo” em russo, alguns defendem que o nome da substância vem de um dos principais compostos da droga, a alfa-clorocodida.

Na mesma época, vídeos que mostravam os efeitos da droga devastadora – que recebeu o nome de desomorfina quando foi inventada para uso médico em 1932 – logo surgiram na internet. Apesar do uso da substância como entorpecente ter surgido na Rússia, acredita-se que a droga já tenha chegado aos Estados Unidos e tudo indica que podemos ter uma epidemia em breve.

O preço do vício

 Um dos principais motivos para o grande uso e a disseminação da krokodil é que se trata de uma substância fácil de ser produzida – qualquer pessoa consegue preparar a droga com ingredientes encontrados em farmácia e alguns utensílios de cozinha.

O ingrediente ativo da krokodil é a codeína, um opioide leve que pode ser encontrado com facilidade em muitos países. Os usuários misturam a codeína com uma série de outros ingredientes, como thinner, ácido clorídrico, fósforo (que eles raspam de caixas de fósforo), entre outros.
A preparação da krokodil consiste em moer as pílulas de codeína e misturá-las com iodo, ácido clorídrico e outras substâncias químicas. A imagem de abertura mostra esse processo de preparação da droga que, em seguida, precisa ser aquecida, como vemos aqui. Fonte da imagem: Reprodução/Time

O resultado é um líquido amarelado com um cheiro ácido forte capaz de imitar os efeitos da heroína por um custo muito menor. De acordo com a Time, uma dose da krokodil custa alguns dólares, enquanto uma dose de heroína pode chegar a cerca de 20 dólares na Europa.
Mesmo não gastando muito dinheiro para conseguir os efeitos, os dependentes da krokodil pagam com a própria vida. A expectativa de vida de um usuário é de dois a três anos. Nos locais em que a droga é injetada, é comum que os vasos sanguíneos se rompam, que o tecido comece a apodrecer e, algumas vezes, descole dos ossos e caia em pedaços. Esses efeitos colaterais deram à substância um novo apelido: a droga zumbi.

O panorama da dependência

 

Rapidamente, a krokodil se tornou popular entre os dependentes na Rússia. Em 2005, a agência de narcóticos do país afirma ter registrado apenas casos de um único uso da substância. Seis anos depois, a agência confiscou 65 milhões de doses apenas no primeiro trimestre de 2011. No mesmo ano, a disseminação da droga cresceu e milhões de dependentes foram identificados na Rússia.

A iminência de uma epidemia é alarmante para os responsáveis. Além de ter crescido surpreendentemente na Rússia, notícias do uso da krokodil já começam a aparecer em outras partes do mundo. Em outubro, um relatório publicado no periódico online American Journal of Medicine confirmou o caso de um dependente de 30 anos do estado de Missouri, nos Estados Unidos, que perdeu um dos dedos e sofreu com o apodrecimento da pele depois de injetar a krokodil.

A proibição da venda de codeína nas prateleiras aconteceu em 1º de junho de 2012 e fez com que os números diminuíssem consideravelmente. Emanuelle Satolli, a fotógrafa italiana responsável pelas imagens que você vê abaixo, conta que os dependentes russos agora buscam o principal ingrediente da krokodil no mercado negro.
Durante um ano, a fotógrafa viveu na cidade industrial de Yekaterimburgo, nos Montes Urais, que é um destino conhecido pelo uso de drogas. Nesse período, ela retratou de perto sua experiência e o cotidiano de cerca de 12 dependentes.
Aviso: as imagens são relativamente fortes e podem impressionar pessoas sensíveis.
Andrey prepara as pílulas de codeína. O principal ingrediente da krokodil é a desomorfina, um opiáceo obtido a partir da síntese da codeína. Fonte da imagem: Reprodução/Time
A codeína é fervida em uma garrafa fechada por alguns minutos como parte da preparação da droga. Fonte da imagem: Reprodução/Time
Zhanna cuida da preparação da krokodil. Fonte da imagem: Reprodução/Time
Alexey, de 30 anos, enche uma garrafa de ar para fazer com que o líquido passe por um filtro que é usado na preparação. Fonte da imagem: Reprodução/Time
Doses prontas para serem usadas. Fonte da imagem: Reprodução/Time
Andrey, de 43 anos, aplica a droga em Zhanna em seu apartamento no bairro de Uralmash. Fonte da imagem: Reprodução/Time
Enquanto Andrey injeta a droga, Zhanna aparece no fundo sob os efeitos da substância. Fonte da imagem: Reprodução/Time
Zhanna aparece sob os efeitos do entorpecente, que costumam durar 40 minutos. Fonte da imagem: Reprodução/Time
Alexei, de 33 anos, injeta uma dose de krokodil. Por causa de sua dependência, Alexei tem uma série de ferimentos no pé e é obrigado a andar com uma bengala. Fonte da imagem: Reprodução/Time
Oxana, de 33 anos, prepara a krokodil. Fonte da imagem: Reprodução/Time
Olya, de 35 anos, injeta a droga. Fonte da imagem: Reprodução/Time
Elman, de 40 anos, mostra os ferimentos causados pelo uso de krokodil e metadona, outro opioide usado como entorpecente. Fonte da imagem: Reprodução/Time
Pavel, de 31 anos, mostra os efeitos da krokodil na sua pele. As substâncias químicas usadas para preparar a droga causam ferimentos graves e profundos. Fonte da imagem: Reprodução/Time