quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Câncer sem Glicose morre de fome, CELULAS normais não!

Publicado em 15/01/2014

Câncer sem Glicose Morre de Fome, Células Normais Não LEGENDADO -CANAL CBN NEWS.COM

Lorie Johnson comenta: Porque as autoridades médicas não estão espalhando está noticia?

Lorie: Duas palavras: INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

Lorie: Sabemos que estas pesquisas são caras. Quem financia pesquisas médica? resposta: INDUSTRIA FARMACÊUTICA Porque estão normalmente testando uma droga, e se a pesquisa dá certo ganham uma pilha de dinheiro.

Lorie: QUEM VAI GANHAR DINHEIRO COM DIETA? NÃO ESTÃO TESTANDO!
Reporter: Não é surpresa. Eles tem um Cartel!
Lorie responde: EXATAMENTE


Postei o video póis o achei muito interessante e porque comenta algo que muitos já sabem sobre os carteis formados pelas industriais farmacêuticas.

No vídeo , é muito comentado sobre a dieta cetogênica e corpos cetônicos, bem... abaixo segue uma explicação sobre o assunto CORPOS CETÔNICOS para que não façam nada sem o conhecimento do seu médico ou nutricionista.


1) Breve definição de corpos cetônicos e como são gerados

Corpos cetônicos são produtos da oxidação de lipídeos que são formados em mitocôndrias do fígado e do rim durante jejum prolongado. O acetil-CoA é produzido a partir da reação de catabolismo de ácidos graxos e aminoácidos. São liberados em organismos que estão em jejum prolongado ou em dietas descarboidratadas (baseadas em proteína e lipídios), caso estejam presentes em altas concentrações podem provocar o desequilíbrio homeostático do organismo. Os corpos cetônicos mais comuns são: ácido acetoacético e seu produto de redução: β-hidroxibutirato. No processo de oxidação dos lipídeos uma pequena quantidade de acetil-CoA é transformada nos corpos cetônicos citados acima ( ácido acetoacético e β-hidroxibutirato) e são aproveitados como fonte de energia pelos tecidos extra-hepáticos.

Nas dietas low carbs, o processo de conversão dos ácidos graxos do tecido adiposo realizada pelo fígado é o que acontece. “A presença desses corpos cetônicos na urina é um método prescrito para determinar o estado metabólico durante a dieta”. Lembrete: uma pequena quantidade de carboidratos na dieta reprime a síntese de corpos cetônicos, pois inibem o processo de degradação dos lipídeos (lipólise) nos adipócitos.

Enquanto a concentração de corpos cetônicos sobe no sangue, uma parte é excretada na urina, e outra é liberada pela respiração.

Num processo normal do organismo, apenas uma quantidade muito pequena de acetil-CoA é convertida em corpos cetônicos no fígado. Para a oxidação padrão do acetil-CoA pelo ciclo de Krebs é necessária a presença de um certo nível de oxaloacetato. Na ausência de carboidratos a concentração de piruvato é reduzida então ocorre sua conversão em oxaloacetato obtido a partir de aminoácidos. Essa baixa concentração de oxaloacetato, reduzindo a velocidade de oxidação de acetil-CoA pelo ciclo de Krebs provoca a acumulação e condensação formando os corpos cetônicos.
Acetoacetato
Acetona
β-hidroxibutirato


2) Cetose

A redução drástica da ingestão de carboidratos a partir das dietas low carb estabelece a condição de Cetose no organismo. Recapitulando: A Cetose surge quando a oxidação de glicose é suprimida e a lipólise é acelerada. Cetose é um processo normal que ocorre no organismo de um indivíduo toda vez que ele encontra-se em jejum. Porém, quando o indivíduo passa um longo prazo em jejum ou no caso, sem ingerirem NADA de carboidrato, a concentração de corpos cetônicos cresce muito no organismo. Estudos comprovam que caso haja um desses dois processos de forma prolongada no organismo, o acetoacetato e β-hidroxibutirato substituem a glicose como fonte principal de energia no organismo.

3) Acidose (cetoacidose)

Um problema grave que pode ocorrer, é que caso os corpos cetônicos citados forem liberados em grandes quantidades para o sangue, eles podem acabar ocasionando uma diminuição drástica no pH sanguíneo o tornando mais ácido que o padrão, provocando a chamada “acidose metabólica” que é perigosa, que se for muito intensa leva o indivíduo a óbito.

Fonte: BAYARDO, Bioquímica Básica
DEVLIN, Manual de bioquímica com correlações clínicas